17 de fevereiro de 2016

Mães com pinta - Isabel Saldanha

Isabel Saldanha, mãe  - giraça e cheia de pinta - de duas louras. 'As suas louras' como muitas vezes lhe chama. 
É uma fotógrafa excepcional, talento pelo qual é mais conhecida, mas também uma excelente contadora de histórias. Escreve sobre o que lhe vai na alma, sobre sentimentos e emoções, sem filtros ou espartilhos, de uma forma que não nos deixa indiferentes. 
Quem acompanha o seu trabalho e as suas palavras sabe do que estou a falar.
Nesta entrevista a Isabel fala-nos intimamente e sem tabus (claro!) sobre a sua experiência da maternidade, sobre as suas #filhasdamãe, mas também de assuntos triviais como o seu estilo pessoal e das filhas ou, por exemplo, o que gostam de fazer num dia por Lisboa.


Nomes das filhas: Caetana e Camila
Idades: 10 e 7
Como foi a escolha dos nomes? 
Os nomes foram consensuais. Quer eu, quer o Gonçalo adorávamos o nome Caetana. Houve alguma resistência da parte da família. O nome é muito forte. 
Aos 6 meses de gravidez ainda pensamos alterar para Madalena, o nome da avó paterna, mas depois decidimos manter. Não há como a primeira escolha. 
Camila foi mais fácil. Acho o nome muito musical e assenta-lhe que nem uma luva.
Partos normais ou cesarianas? 
Ambos partos normais. Rápidos e sem pontos. Tive sorte:)
Amamentaste?
Sim. Amamentei 4 meses a Caetana e quase 1 ano a Camila. Custou a embalar na primeira vez, era muito desastrada. Com os segundos é tudo mais fácil e aprendi a adorar dar de mamar.
Como foi quando descobriste que estavas grávida? 
Fiquei um bocadinho apreensiva, confesso. Tive a perfeita noção que a minha vida mudava naquele momento e corri a partilha-lo com o pai. 
Lembras-te da emoção, de algum detalhe? 
Lembro-me de estar sentada em Alfama a olhar para o rio com o Pai das loiras. Lembro-me que começamos a falar de como é que ela seria fisicamente, na combinação dos dois. Quando ela nasceu era igual ao que tínhamos conversado, como se o criador tivesse a tomar notas ao mesmo tempo :)
O que a Isabel antes de engravidar diria à Isabel agora mãe? 
Acho que não lhe dizia nada. Deixava que descobrisse sozinha. Talvez lhe sussurrasse ao ouvido numa noite de sono profundo:
- Lembra-te sempre que já cá estavas primeiro! Acho que é muito importante no exercício da maternidade, não esquecer nunca a mulher que já existia, em todas as suas dimensões.


Tens um blog e um facebook bastante ativo, onde para além do teu trabalho, falas do teu dia a dia, da experiência da maternidade e onde manténs uma relação próxima com os leitores. 
Como surgiu este projecto?
A ideia não surgiu de repente, foi surgindo. Tinha uma página de facebook onde expunha o meu trabalho de fotógrafa. Sempre escrevi , desde que tenho memória de mim. Houve um dia que decidi juntar palavras às imagens que publicava, uma narrativa, uma legenda, um texto. A combinação resultou tão bem que nunca mais fiz outra coisa. Como a página é sobretudo um portfólio de fotografia, achei por bem criar um blog e ampliar a minha actividade no facebook e Instagram, para que os temas abordados não vivessem no espartilho das minhas imagens de arquivo. Hoje em dia são indissociáveis.
Sou uma fotógrafa que escreve e uma escritora que fotografa.
Assumes muitas vezes atitudes e formas de pensar que fogem ao “certinho", ao "socialmente aceite para uma mãe", como explicas o facto de não seres alvo das criticas tão comuns nas redes sociais,  grupos de mães, etc.? 
Até posso fugir ao socialmente aceite, mas não fujo à verdade das coisas. Se calhar é aí que reside a resposta. Não filtro os meus medos e as minhas fraquezas. Sou uma mulher e sou mãe, mas sou acima de tudo de carne e osso. Tenho dúvidas, fúrias e inquietudes como todas as mães. Não tenho resposta para tudo o que me assalta, e a vida coloca-nos desafios novos todos os dias. Essa dimensão do erro está tão presente que é a única que verdadeiramente me amacia a culpa. A partilha é espontânea, vem do coração. Afinal de contas, quem nunca errou ou teve dúvidas, que atire a primeira pedra:)
Quais as maiores mudanças que percebeste em ti com a maternidade? 
Tudo muda com a maternidade: O corpo, a cabeça, o coração e a alma. A maior mudança talvez seja a percepção do tempo, tudo passa rápido demais. E não é só no crescimento das crianças que o vemos, é no marcador parado em todos os livros que quero ler. Mas a vida também se abre a outras dimensões, ganha uma cor mais saturada e ganha sem dúvida mais alegria, vida sobre vida.
Como é ser mãe de 2 raparigas? 
É dose. Antevejo na mais velha o despontar da adolescência e já só rezo para que seja um terço da minha!
Nunca pensei que ia ser mãe de duas raparigas. Sou uma mulher de livros e letras, não tinha como não gostar de todo o dramatismo exagerado com que se vive no feminino: As amigas para sempre, os amores volantes, os desejos inconstantes, as lágrimas e o riso rasgado, as peças de teatro, os musicais, a ginástica acrobática a ocupar a sala, as unhas de verniz ratado, o baton sobre o bigode e os meus sapatos nos seus pés pequeninos. Sou feminista, adoro ser mulher e encaro-o como uma dádiva e um desafio, educar duas raparigas num mundo tão cheio e complexo. Quero cimentar a sua sensibilidade, a par com a força gigante que todas as mulheres têm dentro de si: Um misto de princesa com super-heroi. 
Como defines a personalidade de cada uma delas? 
A Caetana é uma miúda muito completa. Tem uma destreza física impressionante que combina com uma sensibilidade fina. Como se fosse um trator gigante comandado por um poeta. Já a Camila é um circo de energia e mimo. Uma gargalhada contagiante mesclada com uma ciganita em fúria. 


Alguma dica sobre a educação dos filhos? 
Não deixe que ninguém decida por si, confie no instinto que nasce quando somos mães, não procure ser melhor ou igual, acredite na sua diferença para educar uma criança. A riqueza do mundo é feita da matéria da sua diferença.
Escola Pública ou privada? 
Tenho as minhas filhas num colégio privado. Se vivesse fora de Lisboa, se tivesse o apoio da família, se não tivesse possibilidades financeiras e se tivesse uma vida mais tranquila, com possibilidade de reforçar o apoio extra-escola, não tenho qualquer dúvida que elas estariam no Público. Assusta-me o efeito bolha que alguns colégios privados imprimem nas crianças. Mas mais uma vez, isso tem tudo a ver, com o mundo extra que os pais lhes dão. As minhas miúdas andam numa escola privada mas vivem numa dimensão muito pública, com muito mundo extra.:)
Como defines o teu estilo pessoal? 
 Descontraído: Leggins, botas pretas, casaco com capuz e mochila. De vez em quando aguça-me a vaidade e lá visto um kit mais senhoril. Mas toda a gente repara:)


Um produto de beleza que não abdicas: 
Creme hidratante. Não sou muito disciplinada no que diz respeito a rituais de beleza mas não consigo vestir-me sem colocar creme no corpo.
E o estilo das tuas filhas? 
Como não sou muito coquete elas levam por tabela. Têm muitas calças de ganga, leggins e jardineiras. Compro muitas camisolas com capuz de rapaz e botas ultra resistentes. Quero que tenham a máxima mobilidade e conforto, se puder não comprometer a estética, ainda melhor. 
Sou balança. Gosto de equilíbrio :)
Onde costumas comprar a roupa delas? 
 H&M e algumas peças na ZARA. As roupas de cerimónia, quando elas existem é a avó paterna que as compra nas lojas de Campo de Ourique.


Qual é a tua inspiração para a decoração do quarto das tuas filhas, elas partilham o quarto? 
 Quem me dera ter mais inspiração. Tenho um milhão de ideias numa pasta no Pinterest, mas não tenho tido grande coragem de me atirar à decoração. Mudámos há um ano para esta casa, mas como tenho a impressão que nos vamos mudar novamente, vou guardar a energia toda para a próxima. Uma coisa é certa, vão ter as paredes recheadas de fotografias a Preto & Branco que é uma coisa que desejo há muito. 
E com tanta fotografia que estas miúdas têm era uma pena não as ter imprensas e à vista. 
Tens uma agenda profissional intensa, com 2 filhas pequenas, namorado , trabalho, viagens para fora, amigas... Como consegues conciliar todos os papéis? 
Não tenho o dom da ubiquidade, mas gosto de ter sentido de compromisso. Quando quero muito fazer uma coisa, digo que SIM, comprometendo-me, e depois arranjo todos os meios para o tornar possível. Quem quer mesmo faz. Quem quer muito está. Quem quer ir, vai. Vivo com as minhas miúdas, o pai está na África do Sul e a minha agenda é um susto. Se não dissesse que “sim” era sempre um “não” que diria.
Conta-nos um dia da tua rotina:
 Levanto-me às 7h00 da manhã, visto-me, tomo o pequeno-almoço, preparo o delas e acordo-as às 7h30. Às 8h00 vou leva-las ao colégio e às 8h30 estou no ginásio. Às 10h estou no escritório ou a fotografar numa location, almoço em casa ou aproveito para rematar um almoço/reunião, trabalho o resto da tarde e depois sigo para o colégio. Do colégio para casa, se for Inverno. 
Se for Verão vamos até à praia. Banhos, TPc´s e jantar (graças à minha Fátima que me ajuda todos os dias a ser boa mãe). Deito-as às 21h30 e depois vou beber vinho para a varanda. Tento namorar todas as noites mas enfim…toda a gente sabe como o dia mói.
Como fazes para aproveitar o tempo com o teu namorado? 
Quando as miúdas já dormem nós aproveitamos para namorar no sofá, entre uma série e um copo de tinto. Quando queremos sair temos que recorrer a babysitters porque não temos grande apoio familiar disponível. As nossas fugas saem sempre caras :)
Já viajaste sozinha com as tuas filhas. Como foi?
Viajo bastante com as minhas filhas. Lá está o extra mundo que lhes posso dar, fora das amizades do colégio e dos filhos dos amigos da mãe. Quero muito que tenham a consciência de que existe um mundo enorme cheio de clivagens sociais e diferenças. Já as levei várias vezes a África porque é um continente onde essas assimetrias se vivem. Não as poupo às paisagens menos bonitas. Quero que brinquem com todas as crianças do Mundo. 
Qual a viagem mais gira e memorável que fizeram em família? 
 Foi a São Tomé e Príncipe as três sozinhas. Foi uma aventura que nos uniu bastante. Uma experiência a repetir. 



Dicas para um final de semana perfeito em Lisboa, com crianças:
Pizzas e baloiços no Parque Eduardo VII. Gulbenkian com pão para os patos. Brincar às escondidas na Estufa fria. Apanhar o cacilheiro até à outra margem e comer um fondue. Leva-las a passear de 28 desde a Sé de Lisboa até ao Jardim da estrela.
O que mais desejas para as tuas filhas? 
Que sejam inteiras em tudo o que fazem. Que percebam que a vida é um bem maior e que descubram o seu lugar no mundo, enriquecendo-o.
Uma dica para as mães de primeira viagem: 
Confiem nos vossos instintos. E quando tiverem dúvidas dêem colo, o mesmo que desejamos quando nos sentimos perdidas.
Gostavas de ter mais filhos? 
Não sei. A mais nova já tem 7 anos não me imagino a fazer rewind. Talvez um dia …
Se vier um terceiro filho(a) quais é que achas que podem ser as vantagens e desvantagens da diferença de idades?
 A Vantagem é ter duas babysitter´s no formato filhas, desejosas de terem o seu próprio nenuco. As desvantagens são as limitações que toda a gente conhece de ter um filho recém nascido, sem apoio familiar com um trabalho de freelancer.
Algum post que tenhas gostado especialmente no Blog da Carlota? 
O post de Roma. Adoro viagens. Todas as dicas são bem vindas. Também gosto muito dos posts de refeições em casa. Inspiram-me sempre a fazer mesas compostas:) Adoro uma mesa cheia, sobretudo de pessoas amigas.

Obrigada Isabel e felicidades para o casamento! ;)

12 comentários:

  1. Até que enfim alguém inspirador :)

    ResponderEliminar
  2. Conheci pessoalmente a Isabel há um par de semanas num workshop. Embora já conhecesse o trabalho fotográfico e alguns textos, a minha ideia dela ficava muito aquém da pessoa que é. Uma hora na mesma sala e é impossível não nos apaixonarmos por esta mulher! Parabéns Isabel.

    ResponderEliminar
  3. Bem já conhecia a Isabel devido ao trabalho mas está entrevista é inspiradora. Até fiquei com lágrimas nos olhos... Descomplexada, simples, determinada, e foco no essencial. Isto sim! Uma mãe cheia de pinta, para dar e vender. Parabéns!

    ResponderEliminar
  4. "Acho que não lhe dizia nada. Deixava que descobrisse sozinha. Talvez lhe sussurrasse ao ouvido numa noite de sono profundo:

    - Lembra-te sempre que já cá estavas primeiro! Acho que é muito importante no exercício da maternidade, não esquecer nunca a mulher que já existia, em todas as suas dimensões". É isto! Gostei!

    ResponderEliminar
  5. Que mulher maravilhosa, quero mais. Qual é o blog?

    ResponderEliminar
  6. Adorei a entrevista, finalmente alguém inspirador! Só não apoio a escola privada, mas respeito. Parabéns!

    ResponderEliminar
  7. Ahhh, como adorei a entrevista com a Isabel... tão pés no chão :)
    Não conhecia o blog e passei a seguir

    ResponderEliminar
  8. Adorei!! Muito interessante a entrevista! Bjs ;)

    ResponderEliminar
  9. Foi através da Isabel que cheguei ao blogue da Carlota. É uma inspiração descomplicada. Todas deveríamos ser como ela. Felicidades para ela e para a Fernanda que teve a amabilidade de a convidar.
    C.

    ResponderEliminar