9 de novembro de 2015

Mães com Pinta - Pimpinha Jardim

A mãe com pinta de hoje dispensa grandes apresentações, já fez inúmeras capas de revista, participou em vários programas, é relações públicas e actualmente apresentadora de televisão na TVI, no programa 'A quinta'. 
Gira que se farta, super em forma, descontraída e cheia de estilo! Pimpinha Jardim, 31 anos, é mãe de dois rapazes e confessa que gostava de ter tido uma rapariga...
Aqui partilha connosco o seu dia a dia, a sua rotina enquanto mãe, muitas e ótimas dicas pessoais e como gosta de vestir os filhos, mas também os valores que considera fundamental passar-lhes e o que mais deseja para eles. 
Como todas nós vive o dilema de conciliar tudo, maternidade, carreira, casa e conta-nos como o consegue. Imperdível, claro!


Nome dos filhos e idades: 
Francisco Maria - 5 anos
 Raul Henrique - 2 anos
Como foi a escolha dos nomes? 
O Francisco foi fácil, ficou com o nome do pai e o Raul ficou com o nome do avô, ou seja, do meu pai. Na altura estava na duvida se punha só Raul ou o nome todo do meu pai, mas o meu marido disse que se ele nao gostasse de Raul que podia ficar Henrique, então ficou com o nome completo.
Pessoalmente gosto muito de nomes com história e cada vez mais nomes menos vulgares!


Cesarianas ou Partos Normais? 
2 cesarianas.
A minha primeira opção sempre foi parto normal, mas o Francisco foi cesariana porque estava com o cordão umbilical à volta do pescoço e o Raul esperei até às 41 semanas e acabou por ser também uma cesariana (com pena).
Que cuidados tiveste durante a gravidez? 
Tive muitos cuidados com a pele. Sempre hidratei imenso o corpo especialmente a parte da barriga com muito creme. Usei o creme gordo com óleo de amêndoas da Barral e fiquei com uma barriga impecável, sem estrias. Fiz algum exercício até aos 7 meses, mas depois parei.
Com a alimentação tentei ter algum cuidado, mas no fim foi impossível... daí o cuidado extremo com a pele e apesar de ter engordado um bocado não fiquei com estrias nenhumas, em lado nenhum!
Amamentaste? 
Sim, durante 2 meses.
Qual um bom produto de beleza que tenhas usado na gravidez e recomendas? 
O creme gordo com óleo de amêndoas da Barral, o "Huile Tonic" da Clarins e o óleo de amêndoas e o creme prevenção de estrias da Mustela para o peito. 
Eu gosto de escolher o melhor de cada gama, não sou de marcas :)
O que achaste mais complicado no pós–parto? 
No primeiro filho achei tudo difícil no pós parto, as noites mal dormidas, o dar de mamar de 2 em 2 horas, a subida do leite, a alteração da rotina... Para mim foi tudo complicado. No segundo já é tudo mais fácil, no meu caso o Raul também é um bébé mais fácil, dorme melhor, é mais calmo, mas no segundo já sabemos para o que vamos, por isso é mais fácil. 
Aquilo que eu aconselho a todas as mães é preocuparem-se primeiro com o bébé e com elas próprias e depois sim, preocupar com o corpo, ginásio, cremes e dietas. No meu caso foi tudo ao sitio ao fim de alguns meses com uma dieta equilibrada, exercício e os cremes adequados. 
Enquanto estive a dar de mamar usava na mesma os cremes da gravidez e depois usei os da Gernetic, o Lympho e o Vasco Artera que é o melhor creme do mundo para a celulite! 
Em relação aos bebés, aquilo que me custa mais como já disse, é a privação do sono que muitas vezes é derivada das cólicas e do crescimento dos dentes.
Para as cólicas acho que comprei a farmácia toda, mas acho mesmo que o que resulta são as massagens e um saco daqueles de sementes quente na barriga. No caso dos dentes usei um bálsamo da Mitosyl para os dentes que ajuda imenso a aliviar a dor!
Como é ser mãe de dois rapazes? 
Eu queria muito ter tido um rapaz e uma rapariga, mas como não somos nós que escolhemos o importante é que venham perfeitinhos e cheios de saude. 
Ser mãe de 2 rapazes é muito diferente de ser mãe de 2 raparigas. Pelo menos do que vejo à minha volta, os rapazes são muito mais energéticos e não param um segundo quietos, já para não falar nas brincadeiras que são bolas, lutas, skates e afins... É uma canseira, mas obviamente que no fim do dia são a melhor coisa do mundo!


Como fizeste para manter o teu estilo pessoal durante a gravidez? 
Até aos 7 meses acho que mantive o meu estilo. Usava muito a minha roupa. Só comprei 2 pares de calças de grávida, um na HeM e outros na Salsa e ainda tudo me ficava bem, mas a partir dos 7 meses  começo a engordar e no último mês já só tenho meia duzia de coisas que me sirvam!
E como defines o teu estilo pessoal? 
Sou uma pessoa muito prática, gosto de usar um estilo clássico no dia-a-dia, mas sempre com um toque moderno. Gosto muito da Vintage Bazaar, gosto de investir todas as colecções em acessórios que marcam a estação. Em sapatos gosto muito de uma marca portuguesa que é a Harper e dos sapatos do Luis Onofre. Hoje em dia, há varias marcas portuguesas em que gosto de comprar algumas peças por estação, que dão logo outro ar ao armário, como a Bodhi, a Change, a Coquelicot entre muitas outras.
Qual o estilo que mais gostas de vestir aos teus filhos? 
No dia a dia os meus filhos andam sempre muito desportivos. O Francisco tem farda na escola e o Raul gosto que ande confortável, já para não falar que a maioria das lojas nas grandes superficies não tem grande oferta para rapaz. 
Mas, para ocasiões especiais, gosto muito de algumas marcas portuguesas feitas por mães com um gosto especial como: Maria Bianca, Boneca de Sabão, Piupiuchick e DOT. Há também uma loja online que gosto muito que é a 'childsplaycloting'. 
O Francisco já gosta de andar igual ao pai e por isso compro-lhe algumas coisas na Search Store que tem marcas associadas ao surf.


Qual a peça ou peças must-have no armário dos teus filhos? 
As cores predominantes no armário dos meus filhos são o azul, o branco e o verde. São as cores que mais usam. Eles já estão na idade em que são mesmo rapazinhos e andam sempre de skate, bicicleta e afins, por isso aquilo que usam todos os dias e que posso considerar um 'must have' são uns ténis adidas cinzentos e verdes que não saem dos pés deles, faça sol ou faça chuva!
Que carrinhos de bebé escolheste? 
Para o Francisco escolhi o Trio Lolla Up da Bébé Confort, para o Raul como viajamos muito e precisamos de um carro todo o terreno escolhi o Quinny Mood. Neste momento como carrinho bengala uso também o Quinny Yezz que é super leve, transforma-se numa mochila e é super prático.
Como concilias a tua vida profissional com a maternidade? 
Neste momento é complicado porque estou a acumular profissões - a de mãe que como nós mães bem sabemos (mas as vezes parece que só nós é que sabemos) podia ser considerada uma profissão a tempo inteiro, a de reporter na TVI e ainda a de Relações Públicas!
Não esquecendo o ser Mulher,  que estes últimos tempos tem sido difícil, mas vai-se conciliando com ajudas da família e de uma pessoa que me ajuda em casa durante a semana.


Infantário antes dos 3 anos sim ou não? 
No caso do Francisco sim, porque não tinha ninguém em casa para me ajudar na altura e acho que é importante eles conviverem com outras crianças. 
No caso do Raul vai 3xs por semana, só de manhã, e tem o irmão em casa, primos e muitos amigos para brincar e socializar!
Como é um dia perfeito com os teus filhos? 
Um dia perfeito com eles passa por estarmos em família, com calma, sem pressas, seja onde for , mas preferencialmente no calor!
Diz-me 3 valores que consideres fundamentais e que pretendes passar aos teus filhos
Integridade, generosidade e honestidade.
E o que mais desejas para o futuro deles?
O que todas as mães desejam para os seus filhos, que tenham saúde e que sejam felizes e que me tenham por perto durante muito muito tempo :)
Gostavas de ter mais filhos? 
Gostava de pelo menos tentar a rapariga.
O que que a mãe Pimpinha de hoje diria à mãe Pimpinha de ontem? 
A mãe de hoje diria à mãe de ontem, muita calma que tudo passa e é sempre para melhor! :)


Acompanhas o Blog da Carlota? 
Acompanho sempre que posso, acho que tens muito bom gosto e apesar de teres raparigas, de vez em quando dás boas sugestões para os rapazes e também para nós mães!

Obrigada Pimpinha! ;)

Instagram @Feferreiravelez




26 comentários:

  1. Gosto muito do seu blog e sou uma leitora assídua! Já li algumas entrevistas e reparei que coloca sempre a questão do colégio (antes dos 3, sim ou não?). Talvez a palavra "colégio" não seja a melhor a utilizar, uma vez que a grande maioria das crianças não frequenta colégios, nem antes dos 3 nem depois dos 3. Peço desculpa, mas achei que devia fazer este reparo. Felicidades para si e para as suas meninas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também reparo sempre nisso. Eu própria andei toda a vida num colégio, mas acho de mau tom perguntar como se estivesse fora de questão colocarem os filhos numa instituição pública...

      Eliminar
    2. Eu andei a vida toda em instituições públicas.... desde o infantário, até a faculdade e estudei no estrangeiro numa faculdade pública. Não é por andar em colégios e nas faculdades privadas que esta a diferença. Até porque no nosso país as faculdades privadas são a regra dos 3 "PPP´S".

      Eliminar
    3. Sou a anónima das 14h. Nesse ponto tenho de discordar, andei num colégio inglês e sinto que fez, de facto, a diferença. Quanto à universidade, andei numa pública e penso que, apesar dos sucessivos cortes orçamentais, o ensino tem qualidade, bem como o necessário nível de exigência.

      Eliminar
    4. Como nota a diferença? A única diferença são as peneiras. E tirei as minhas filhas do st. Peter precisamente por isso.

      Eliminar
  2. Que família gira! Adoro esta série das "Mães com Pinta". Keep going girl.;)

    ResponderEliminar
  3. Gosto desta miúda, mas o que gostei mais foi que pela primeira vez houve uma destas mães com pinta que à pergunta "como concilias tudo" respondeu o verdadeiro grande motivo que as anteriores têm esquecido: ajuda da família e de uma pessoa em casa! Quanto às estrias, lembrar apenas as mães/grávidas/pessoas em geral que mais do que os cremes o que dita como reagirá a vossa pele é a vossa genética. Podem besuntar-se toda a gravidez que se tiverem "má" pele não há nada a fazer, assim como se a têm boa, mesmo sem qualquer creme, ficaram sem qualquer estria. Previnam e ponham, mas não julguem que é mero mérito pessoal ficar sem nenhuma estria ou apenas desleixo ficar com muitas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, ajuda de terceiros e uma pessoas em casa. Porque na verdade o "trabalho delas" implica pouco tempo e muitas ausências.

      Eliminar
  4. A Pimpinha é uma mulher de sonho, mas isso ela já sabe, já lhe disse no facebook! :-)
    Mark Margo
    www.markmargo.net (site cor de rosa com celebridades, cinema )

    ResponderEliminar
  5. Adorei a entrevista. Gosto dela! E tem uma família linda! Estamos juntas na saga mamãs de dois meninos! :)

    Tal como o Anónimo anterior, também gostei da sinceridade com que refere que para conciliar tudo tem ajuda da "família e de uma pessoa em casa". Por vezes, algumas mães com pinta fazem parecer que tudo é fácil e muito cor de rosa, e todas nós sabemos que não é. Muito mais quando a ajuda que temos é pouca.

    ResponderEliminar
  6. Esta é a minha rúbrica favorita! Gostei, acima de tudo, da sinceridade da Pimpinha no que toca às dificuldades com que se depara, bem como as ajudas que tem. Nunca consigo acreditar nas "mães com pinta" que fazem crer que fazem tudo e mais alguma coisa sem ajudas ou apoios, como se fosse tudo uma questão de gestão e força de vontade!

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito e fiquei com uma impressão muito boa da Pimpinha, sobretudo por ser muito honesta em relação às dificuldades de ser mãe e às ajudas de que todas precisamos para conciliar tudo. Parabéns e muitas felicidades!

    ResponderEliminar
  8. Finalmente uma mãe que assume que tinha preferência pelo sexo do bebé!

    ResponderEliminar
  9. O que é uma mãe com pinta? Estou cansada desra sociedade que valoriza pessoas que são exatamente iguais a nós. Valorizem sim pessoas banais que necessitam de ver o seu esforço reconhecido pela luta que é criar filhos neste país com tantas dificuldades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso que se deve valorizar tanto a Pimpinha, como a Anónima, como a Fernanda e como eu. Todas temos circunstâncias de vida distintas, todos nós esforçamos diariamente para fazer o melhor pela nossa família. Não vejo mal nenhum nesta entrevista, muito menos nos elogios que recebeu. Lembre-se que há certamente mães no mundo com mais dificuldades e carências que a anónima, tal como haverá igualmente vidas mais desafogadas. O que condeno é esta necessidade de deitar abaixo quem tem uma vida mais simpática que a nossa. Como se sentiria a Anónima se lhe dissesse que não merece ser valorizada por criar os seus filhos com as suas dificuldades, quando há mães neste mundo que nem água potável têm para dar aos filhos?

      Eliminar
    2. Outra questão: lá por a Fé não ter a responsabilidade de sustentar a família, não pode ser valorizada e elogiada enquanto mãe? Sem sombra de dúvida que leva uma vida muito mais folgada do que quem tem de trabalhar a tempo inteiro, cuidar da casa sem ajuda e ser mãe! Mas isso não lhe tira todo e qualquer mérito.

      Eliminar
  10. Gostava que entrevistasse as mães reais. Estas têm maquilhagem a mais, ajudas é muito patrocínio.

    ResponderEliminar
  11. Eu não questiono o facto de serem boas mães, longe de mim e obviamente que há mães com mais dificuldades do que eu. Acho que mães como a entrevistada não representam a maioria do nosso país. A Pimpinha é com certeza boa mae, mas teve sempre a vida facilitada por ser quem é. Talvez seja eu cada vez mais farta destas passadeiras vermelhas. ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão e é uma boa ideia para a Fe entrevistar também mulheres "normais". Pessoalmente tenho mais interesse em ler sobre como uma mãe mais "normal" faz a gestão do seu tempo e recursos, do que como ouvir uma mulher com empregada, mais dinheiro à disposição e mais facilidades na vida falar sobre "força de vontade" e "organização". Não foi de todo o caso da Pimpinha, mas já tem havido entrevistas que são um autêntico atirar de areia para os olhos. Porque uma mãe com pinta não tem de ser forçosamente uma figura pública ou de nível socioeconómico superior.

      Eliminar
    2. Não há pachorra para este tipo de comentário. Quer que a Fernanda entreviste a sua mulher a dias? A piada deste blog é exactamente a Fé mostrar uma vida que faz sonhar muita gente. Veja o sucesso dos blogues que mostram o lado real da vida, as pessoas querem SONHAR!!

      Eliminar
  12. O facto das pessoas terem nascido em berço de ouro ou terem uma vida desafogada, não faz delas piores mães , profissionais ou mulheres. Vejo aqui alguma raiva direccionada para estas pessoas , que se formos a ver também não têm culpa de serem assim. Ninguém escolhe onde nasce.

    ResponderEliminar
  13. Descobri seu blog atravez uma amiga que vive fora de Portugal. Gosto imenso e nao compreendo porquê tanta inveja? E comentarios negativos. Eu vivo fora e da-me gosto de ver uma mulher portuguesa digno desse nome. Mae, Esposa, Mulher realizada, com pinta E gira que se farta....se as pessoas nao gostam do seu blog nao deveriam ler. Eu mesma tenho um blog e nunca aceito comentarios desses. A vida é curta demais para se focalizar em mesquinhices. Desculpa pelo meu português, nao sou portuguesa mas conheco muito bem Portugal e ADORO. Nunca vejo comentarios destes em blogos estrangeiros, pensava que o povo português aberto de espirito, pois quando vou a Portugal passo momentos fantasticos. Beijinhos Fernanda e continue a nos fazer sonhar Darling ;-))))

    ResponderEliminar
  14. Eu não vejo os comentários anteriores como inveja, são apenas opiniões. Mas porque razão havemos nós de sonhar com a vida da Fernanda? Acha que ela tem uma vida de sonho? Ela tem uma vida idêntica à da maioria das mulheres, com mais algum dinheiro eventualmente. As pessoas é que são iludidas por acharem que devem sonhar com uma vida idêntica à das pessoas famosas. Para mim sonhar é procurar ser melhor naquilo que faço todos os dias, não o desejar algo que os outros têm. Fico feliz com o sucesso dos outros, porque não hei-de ficar?

    ResponderEliminar
  15. E a maioria do vocês é que faz comentários sobre serem más mães, eu nunca o referi. Acham que tudo o que se diz é critica negativa, quando é apenas uma sugestão.

    ResponderEliminar
  16. Esse género de sugestão para pessoas iludidas não serve. Vou lhe dar uma sugestão : visite outros blogues que falam das grandes dificuldades de ser mãe , sobre as discussões com o marido,com a sogra e afins, os fins de semana a passar ferro, a falta de dinheiro,os Kits da loja do Chinês e as ferias num T1 na Quarteira.

    ResponderEliminar