4 de junho de 2015

Mães com pinta - Elsa Quintela

Hoje apresento-vos a mãe cheia de pinta por trás das lojas NUDE. Chama-se Elsa Quintela, tem 35 anos e a sua paixão é desde pequena, quando ajudava a mãe a escolher coleções para as lojas, a moda!
É feliz e luta todos os dias para ter sucesso enquanto mãe, mulher e empresária, por ir realizando coisas dia a dia e viver o momento, mas a sua filha, Carlota, de quase 3 anos é sem dúvida a sua prioridade!
Nesta entrevista partilha connosco a sua experiência de maternidade, mas aproveitei também o seu bom gosto e experiência em styling para lhe pedir boas dicas de moda. 
Como sempre, a não perder! ;)


Nome da filha e idade: 
Carlota - 3 anos em Julho
Como foi a escolha do nome?
Difícil! Dei muitas voltas até me sentir confortável e feliz com a escolha do nome. Adoro Carlota e acho que tem tudo a ver com a personalidade da minha filha. 
Parto natural ou cesariana?
Natural! Agora que já passou e correu tudo muito bem, confesso que a meio do processo tive vontade de desistir e pedir Cesariana :) 
O que achaste mais complicado no pós-parto?
Tive um pós-parto tranquilo. Claro que há que respirar fundo para nos conseguirmos ajustar ao turbilhão de mudanças que se instalam... um recém-nascido, uma nova dimensão emocional, a recuperação física. 
As mulheres têm super-poderes!
Qual o produto que utilizaste durante ou depois da gravidez e que recomendas às tuas amigas?
Creme hidratante e anti-estrias, combinados. Coloquei todos os dias, sem excepção, até 2 meses após o parto. 
O que todas as mãe sabem, mas não contam? Ou seja, o que mais te surpreendeu depois de seres mãe?
Hum.... Tanta coisa! 
As noites são piores do que pensava. Até hoje a Carlota gosta de um pequeno momento de convívio por volta das 4 da manhã! Mas estas são pequenas coisas que vão passando com o tempo. 
A Maior surpresa é mesmo a forma como nos superamos depois de sermos mães. Sinto que nos tornamos melhores, mais capazes, mais generosas, atentas, sensíveis. 
És uma super mãe, tens uma carreira profissional, vida social e estás sempre impecável. Como concilias o dream job - e agora mais uma loja nas Amoreiras - com a maternidade? Qual o segredo para otimizar o tempo?
Achas que estou sempre impecável? Nada disso! 
Toda a gente sabe que não há fórmulas. Para conciliar todos os aspectos da minha vida vou esticando as horas úteis e cortando nas de sono :)
Mas há uns dias perfeitamente caóticos, outros em que a coisa se compõe. No final basta-me que a Carlota seja mesmo feliz e que eu possa ser uma influência positiva nela e nas pessoas à minha volta.
Ainda consegues ter tempo para ti? 
Ainda! É um equilíbrio fundamental. 
Um bocadinho de ginásio para manter a auto-estima nos mínimos aceitáveis. Uns jantares com o meu marido e amigos. 
Agora, cinema, teatro, concertos e leitura... são miragens!
Vestir bem e vida familiar são conciliáveis?
Claro que sim. Vestir bem não significa peças complicadas. O simples e depurado resulta quase sempre melhor!
Aproveitando a tua experiência de styling, quais as peças must-have no armário de uma grávida?
Nas minhas lojas tenho o privilégio de receber muitas clientes grávidas que são uma verdadeira inspiração! Mantêm o seu estilo com as adaptações necessárias ao conforto que todas as grávidas merecem. 
A melhor dica que posso dar é que encontrem o equilíbrio na conjugação das peças. Por exemplo, se optarem por túnicas mais largas, conjuguem-nas com calças skinny (há óptimas na H&M) para um resultado mais elegante. 
Agora no Verão os vestidos Maxi (que continuam super Trendy) são uma boa aposta. 
Como defines o estilo que gostas de vestir à tua filha? É uma extensão do teu ou para ela gostas de um estilo completamente diferente?
Acho que as crianças é que dão estilo e pinta às roupa, não o inverso!! 



Alguma marca de roupa infantil que predomine no armário da tua filha?
Adoro misturar peças e marcas e criar uns looks divertidos. A Bonpoint é de sonho, a Zara é incontornável. Gosto também de uma marca muito divertida e menos conhecida (que vendo numa das minhas lojas) a Billie Blush. As marcas portuguesas estão cada vez melhores, Knot, Maria Gorda, Antimilk.
Qual o teu critério na compra de roupa para a Carlota? 
Muitas vezes esqueço os critérios e desgraço-me nas roupas para ela. São uma perdição.
Acabamos sempre por ver alguma coisa (ou muito) de nós nas nossas filhas. O que mais vês de ti na tua filha?!
A alegria, a determinação (teimosia, vá!) e os caracóis! 
Há quem diga que nós aprendemos mais com os filhos do que eles connosco... O que dirias que aprendeste com a tua?
Tanto! Mesmo. Talvez o mais relevante tenha sido aprender a aproveitar o momento. Viver com menos ansiedade. 
Como é um dia de rotina vosso? 
Rotina??? O que é isso? :)
Na decoração do quarto da tua filha optaste pelo tradicional ou gostas de arrojar?
Bege, rosa e branco.



Colégio antes dos 3 anos sim ou não?
Não há regra! 
Muitas vezes assistimos a opiniões fundamentalistas. Mas sou apologista de que cada família decida o melhor para si e seus filhos. 
A minha foi para o colégio aos 2 anos porque acreditei que era a melhor opção. Na verdade teve uma adaptação difícil é só agora começou a gostar da escola. 
Com outro filho provavelmente só o colocaria depois dos 3. 
Live and learn! 
Como foi a escolha da escola/colégio da tua filha? 
Boas referências de familiares e amigos. Projecto de educação. Ensino bilíngue. Localização. 
Programa que mais gostas de fazer em família? 
ESTAR com a minha família, desligar os telefones e aproveitar. Em casa, num passeio, em viagem.
Um restaurante giro em Lisboa para ir com filhos.
No Cais da Pedra recebem super bem as crianças (com desenhos e lápis para se entreterem) 
O último destino de férias em família e o próximo?
O último, neve. O próximo, praia! Este ano vamos todos (irmãos, filhos, primos) para Formentera. 
3 Valores que consideres fundamental passar na educação da tua filha:
Generosidade, respeito, amizade, coragem. 
Gostavas de ter mais filhos?
Gostava.

Acompanhas o Blog da Carlota?
Sim, desde o início que me inspira e dá as melhores dicas!

Obrigada Elsa!
A nova loja nas Amoreiras está linda de morrer e tenho a certeza que será mais um projecto de sucesso!

*Fotografia Isabel Saldanha


INSTAGRAM @feferreiravelez

34 comentários:

  1. A loja das Amoreiras é top! Mais cool impossível :)

    ResponderEliminar
  2. "És uma super mãe, tens uma carreira profissional, vida social e estás sempre impecável. Como concilias o dream job - e agora mais uma loja nas Amoreiras - com a maternidade? Qual o segredo para otimizar o tempo?" Nunca ninguém responde o que aqui é o principal: ajuda familiar. Será que por a terem nunca pararam e pensaram o difícil que é ter tempo para nós sem ela? Vejo esta pergunta vezes sem conta e rara foi a vez que vi alguém dizer "porque tenho ajuda", "continuo a ter momentos a dois porque tenho quem fique com eles", "continuo a ter tempo para mim porque tenho quem fique com eles", "continuo a ser super empreendedora porque se houver dias em que realmente tenho de ficar a trabalhar e vesperas em que tenho de me dedicar a 100% ao trabalho, tenho quem fique com eles". Acreditem que mais de 50% da conciliação de tudo não é por se ser organizado, não se esquecer que se é mulher ou ter força de vontade. É por se ter ajuda (e quem fala em avós fala também em ter capacidade monetária para pagar babysitter muitas vezes).

    De resto, parabéns a esta mulher pelo seu projeto de que gosto muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite anónimo :) No que diz respeito à ajuda/apoio familiar, falo por mim, é sem dúvida, determinante para o tempo a dois ou com amigos.

      Eliminar
  3. Tenho de fazer uma visita à loja do Amoreiras!
    Parabéns Elsa Quintela!!!

    blogdamariafrancisca.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Olá.
    Há muito que leio o seu blogue, e, regra geral, gosto da sua abordagem.
    Esta rubrica, no entanto, encaganita-me um bocadinho...quando há um suporte financeiro e familiar que ajuda, tudo tem muito mais pinta!
    Mas no fundo, pinta tenho eu e muitas mães como eu. E agora falo por mim, tenho 4 filhos, e temos uma ginástica financeira e de logistica fantastica para conseguirmos deixar os miudos na escola e chegar ao trabalho a tempo e horas, depois de apanhar 2 transportes, frescos e cheios de vontade de trabalhar, e pensar nas compras de supermercado e no planfond que podemos gastar no mesmo, e gerir pedidos das escolas, trabalhos de casa diários e birras inerentes, programar as roupas para vestir de manhã, preparar ementas, lavar roupas e passar a ferro, e tentar ter a casa arrumada, e ainda sermos bons profissionais...e mais ainda, ao sábado leva-los à catequese, eu dar catequese, e depois irmos em família à missa porque somos católicos praticantes. E ainda brincar com eles e arranjar atividades, sempre de olho no orçamento e no meio disto disto tudo senti-los felizes e realizados...isto sim é SER com muita pinta.(Porque eu até adorava ter o meu negocio e tenho um sonho, mas como não tenho financeiramente " muita pinta" fico-me pelo sonho.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo Carla. Eu se não tivesse de limpar a casa, passar a ferro, cozinhar, faltar ao trabalho cada vez que estão doentes, esperar 7 horas nas urgências de cada vez e mais 8 no centro de saúde e tudo isto sem direito a um único dia por ano de folga dos miúdos, nas horas que faço o que elenquei podia estar a ter tempo para mim. Mas nao, ter empregada, familiares, nunca é o motivo de conseguirem fazer tudo, é sempre o mérito pessoal, capacidade de trabalho, ser positivo ou ter poderes. E não é queixa, que bom que há quem tenha, mas pensem bem o que realmente vos permite conciliar tudo :)

      Eliminar
    2. Cada um é como cada qual.
      Alguém obriga a terem filhos?! Pois... Tenham-nos mas em vista as capacidades financeiras minhas senhoras.
      Lembrem-se do que o Papa, muito bem, disse "Não se deve procriar como coelhos", há que ter responsabilidade.
      Para bom entendedor, meia palavra basta.

      Eliminar
    3. Inês, nem tenho palavras para si. Vou esperar que cresça e pela idade desculpo-lhe a falta de noção e arrogáncia.

      Eliminar
    4. O quê??? Olhe D.Inês, se todos os portugueses tivessem filhos segundo as capacidades financeiras para roupas, quartinhos, colégios bilingues e férias xpto, o país fechava para balanço. Mas olhe, se nunca ninguém lhe disse, somos todos iguais "sem patas de coelho".

      Eliminar
    5. Falta de noção? Provavelmente a Fernanda e a Elsa planearam a sua vida no sentido de terem 2 e 1 filhas, respetivamente, hoje em dia acho inaceitável haverem pais que até tem bons empregos e salários e terem imensos filhos para os quais não tem tempo e ainda se lamentarem por isso. Ter filhos sim, acho muito bem e eu adoro crianças, mas é preciso pensar-se muito bem se se conseguirá reunir condições para lhes dar uma vida razoável e não terem de abdicar de coisas banais.
      Não digo nunca porque não sei qual será o meu futuro, mas penso que ter filhos é ter investimentos, acréscimos (no bom sentido).

      Reflitam nas vossas lamentações.

      Eliminar
    6. Saiba que o tema aqui levantado (inexistência de suporte familiar) é relevante independentemente do número de filhos. Tenho um filho, suporte familiar zero, não posso pagar babysitters. Tenho as mesmas condicionantes que são aqui referidas por quem tem dois, três ou meia dúzia. Certamente uma logística menos complexa e exigente mas, ainda assim, impossibilitada de fazer uma série de coisas que gostaria.
      Quem aqui alerta para esta realidade, não se está a lamentar da vida que tem; apenas pretende salientar que há factos que estão por trás de algumas "vidas" e "sucessos" que não são assumidos, correndo o risco de criar a percecao de que têm algum dom particular quando não é bem assim. Sem, naturalmente, tirar merito ao trabalho desenvolvido!
      Mas há coisas que só se entendem quando se passa por elas. E a maturidade ajuda a compreender muitas coisas desta vida 🕔

      Eliminar
    7. Credo, Inês! Não tenho filhos mas tenho bem a noção do que custa criar ao menos um, que seja, quando se tem uma profissão stressante e com horários difíceis. O seu comentário foi terrível.

      Eliminar
  5. Ines, que falta de conteúdo e de argumentação . O que aqui se falou , é tão somente da ajuda familiar ( aquela que não se compra ou se arranja só porque queremos ) é essa ajuda, é esse suporte que nos permite ir atrás dos sonhos , encontrar o equilíbrio .
    O que as leitoras acima referiram é tão somente , que não é apenas a força de vontade que conta... O suporte faz toda a diferença ... Eu nem sequer lhe dou como exemplo um projeto empreendedor , dou lhe apenas como exemplo isto :
    Um casal com um filho, ele a trabalhar a 350 km de distância , só serão juntos ao fim de semana .
    Ela trabalha a 20minutos do trabalho, tem de deixar o filho as 9 h no infantário , as 9h30 tem de estar no emprego , não tem hora de almoço , faz jornada continua para poder sair as 17h30 para que a criança não fique muitas horas no infantário . Vai buscar a criança as 18h, passam no supermercado , vem para casa , faz jantar , da banho, brinca com a criança , lê história e deita a criança , já são 22h .
    Tem de colocar roupa na máquina e estender a que ainda lá está lavada do dia anterior. Passar a ferro, , dar um jeito a casa. São 24h...
    No entanto , nesta semana ainda faltam as aulas de natação e as aulas de música . Não tem família por perto .

    Agora diga me , neste caso , como é que uma família que apenas " procriou" uma vez , faz para ter um tempo para si ?

    É fácil falar não é Ines ?
    Bem me parecia ...
    Ana Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A natação e a música são obrigatórias?!
      Pois, bem me parecia...
      Quanto ao resto é como tudo. Cada um faz como pode... Eu, graças a Deus, ainda hoje vou de férias com os meus avos e tenho 19 anos. Mas é como tudo... Há amigos meus que quando eram mais novos iam para o atl e eu ficava com os meus avos. Pode ser bom, pode ser mau, cada um tem o que tem e faz a vida como pode.

      Eliminar
    2. Inês vamos dar-lhe o tempo necessário para que a vida e encarregue de explicar as coisas porque com texto, claramente não vamos lá. Então as pessoas que não tem ajuda familiar, porque espante-se os próprios pais trabalham, simplesmente não deveriam ter filhos. E como também não tem possibilidades de ter empregada e as tarefas domésticas não se fazem sozinhas, então ai muito menos! Ah e tendo a ousadia de ter 1 filho, este deveria estar inibido de ter actividades extracurricularea só por serem "desnecessárias"?! Que a vida lhe continue a sorrir muito porque nem toda a gente têm a sorte se ter sempre tudo tão facilitado.

      Eliminar
    3. Olá Inês , respondendo as suas questões ... A natação e a música não são obrigatórias , são opções ...
      No entanto , em momento algum aqui se fala de queixumes , invejas ou egoísmo , tal como a Ines refere várias vezes nos seus comentários ... O que aqui se discute é que por vezes as pessoas só mostram o que querem é que depois usam expressões como " é tudo uma questão de organização , preserverança " o que de facto não corresponde à realidade , porque se não existir esse apoio e suporte que falamos ( família / empregada doméstica / etc) é quase impossível fazer o que aqui foi descrito.
      Ninguém aqui disse que a Elsa Quintela não tem mérito , tem aliás muito mérito , mas também o consegue porque certamente não é só por esticar as horas do dia e cortar nas de sono ( como ela própria o descreve ) mas também porque deve ter um sistema de apoio que o permite( seja ele qual for ) .
      A Elsa menciona que o equilíbrio é fundamental e eu concordo totalmente, mas no meu caso não existe equilíbrio possível , porque eu tenho toda a força de vontade do Mundo , e até estaria disposta a ir correr as 6h da manhã ou à ir para o ginásio as 20h, mas não me é possível porque não tenho ninguém a quem confiar o meu filho . Consegue perceber isso ? Consegue perceber que muitos casais não vivem perto dos pais e tal como no meu caso nem vivem juntos durante a semana ?
      Eu estou absolutamente conformada e aceito a minha vida tal e qual como é , só que magos me quando ouço comentários de que " tudo é possível só é preciso força de vontade e compromisso " , quando na realidade , isto por si só não chega .
      Espero que consiga perceber o ponto de vista destas mães , que também muito organizadas , que gerem orçamentos familiares de forma exímia , gerem o tempo delas de forma a que a família nunca seja prejudicada , porque estas mães também são empreendedoras... Na vida delas!!!
      Ana Teresa

      Eliminar
    4. ANA Teresa,

      Antes de mais, obrigada pela delicadeza e educação com que expôs a sua opinião.
      Sim, no caso de "consigo porque sou excelente na organização" é muito "Light". É óbvio que têm essa organização com a possibilidade de terem salários que cubram despesas com o cuidar das crianças e/ou com o auxílio dos pais. Mas isso é algo que não se dá valor quando se tem pais ou o tal poder econômico.

      Tudo de bom para si e muitas felicidades.

      Cumprimentos,
      Ines

      Eliminar
    5. Deve ter algum problema com os salários das pessoas e respetivas possibilidades financeiras. Não consegue alcançar que o dinheiro não compra as qualidades das mães, quer seja, organização, dedicação, empreendorismo? Se calhar precisa de ir a um psicólogo porque claramente tem muita coisa recalcada... E olhe que há instituições que proporcionam esse tipo de apoio gratuito. Estou esperançosa na geração futura E só espero que a menina não seja a maioria dos adolescentes de hoje em dia.

      Eliminar
    6. Ah, ok percebi, tem 19 anos ( à altura do post, pelo menos) e gosta de desconversar. Daí a inutilidade de qualquer conversa.

      Eliminar
  6. Sou mãe recente, e sem ajuda da minha mãe, seria quase impossível fazer as tarefas domésticas e ir fazer unas simples compras ao supermercado. Se a ajuda dela já é preciosa quando eu começar trabalhar vai ser fundamental!
    Só estou a falar de uma única bebé!!

    ResponderEliminar
  7. Porque razão dar justificações a uma miúda que ainda está a léguas de distância de saber o que é a vida é provavelmente ainda não ultrapassou o complexo de Édipo? acho hilariante usar a palavra do papa para criticar as pessoas que é precisamente o contrário do que apela. Não Julgar as pessoas. Os comentários são todos no sentido de expor a realidade, tirar os póneis corações e ursinho carinhosos. Uma coisa é a menina pensar outra completamente diferente é a realidade, a experiência, coisa que não têm. Quando lá chegar talvez possa alcançar as questões que aqui se colocam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não poderia estar mais de acordo. Sei o que é não ter ajuda por perto e é muito difícil conciliar tudo. A vida não é cor de rosa como por vezes se consta. E se as pessoas tivessem filhos apenas por terem muitas possibilidades financeiras, então, é que a natalidade era inexistente. De facto há pessoas que ainda não tem a noção do que é a vida, nem das responsabilidades da vida. Há pessoas que só mostram o que a vida tem de maravilhosa, e ainda bem, mas há que saber que a vida nem sempre é isto.

      Eliminar
    2. O que eu quis dizer é que todos somos diferentes e todos tem vidas diferentes! Acho mal é terem pessoas invejosas de quem tem essas possibilidades de ter quem tome conta dos filhos e tentar rebaixar, de certa forma, quem consegue ter uma vida profissional excelente, mesmo tendo filhos!
      sejam menos egoístas! Tenho amigas que tem a possibilidade de ter os pais em casa e anda num colégio, tem explicadora particular e tudo mais. E eu não. E depois? Tenho de invejar esse facto?! Óbvio que não!
      Sejam mais descontraídas e calmas.

      Eliminar
    3. Olhe Ines, o salario bom de agora (e que para mim ate tem sido nos ultimos anos) pode mudar de um dia para o outro.

      No seu entender, o que fazemos quando muda para pior? Despachamos os filhos?

      Eliminar
  8. Olhe menina Inês, com o tempo e a maturidade você irá pensar e dar outro valor às coisas e há vida. Aqui ninguém é invejoso, as pessoas apenas estão a opinar sobre o que é realmente a realidade. Com a sua maneira de pensar espero mesmo que tenha sorte ao longo da sua vida.

    ResponderEliminar
  9. Inês, será que ainda não compreendeu o que se estava a discutir aqui? Mas alguém rebaixou ou foi egoísta? Até foi frisado que não se estava a retirar mérito! Veja bem o que escreveu e o que estava escrito à hora que a Inês escreveu o seu comentário lamentável! O que se discutia aqui é aquilo que serve de justificação na hora das mães responderem ao "como conseguem conciliar tudo". Acho que o curto e conciso comentário do anónimo da 1:04 resume tudo, e por resume tudo entenda-se que o que se espera desta mãe quando eventualmente lhe perguntarem "como consegue conciliar tudo" é que não se esqueça de bem no cimo da lista colocar "a minha mãe" e não frases cliché de força de vontade e organização; ou acha que a mãe que aqui "rotulou" de coelha não tem uma capacidade de organização e força de vontade incríveis? Eu acho!
    E Fernanda, sou a anónima que começou esta discussão e a quem respondeu. A verdade é que não uso o gmail nem tenho nenhuma das opções, pelo que se torna mais simples escolher a opção anónimo. Mas lá me "loguei" na velhinha conta gmail para encerrar um assunto que, acredito, se bem interpretado, estamos todas de acordo.

    ResponderEliminar
  10. Sou a anterior anónima da 1:04, e o que eu tenho a dizer é que a imaturidade é terrível. A vida encarrega-se sempre de nos mostrar como funcionam as coisas na realidade. Sem ajuda é tudo muito mais complicado.
    Menina Inês nunca se esqueça que quando aponta o dedo a alguém, tem três dedos virados para si! Agora pense( algo que para si deve de ser complicado, senão não teria dito as barbaridades que disse).
    Um bem haja a todas mães!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Deve de ser", claro ;)
      *Deve ser é a forma correta.
      Ai, ai ... O que andaram a fazer na escola?!

      Eliminar
    2. Ahaha a miudinha, que cada comentário só mostra ignorância aliado à arrogância, o que infelizmente não a irá ajudar nada a evoluir. Ou tem sorte ou não vai muito longe. Boa sorte! By the way, se reler o comentário da pessoa que tentou corrigir, se alcançar, vai perceber Que não cometeu nenhum erro.

      Eliminar
    3. Inês, uma das coisas que aprendemos com a idade é a admitir quando não estivemos bem ou a saber quando já estamos a ser ridículas (acredite, a Inês já me está a causar vergonha alheia! ). E quanto à anónima e ao seu erro gramatical tãooooooo importante neste tópico, o que ela andou a fazer na escola terá sido o mesmo que a Inês andou a fazer: "A minha conversa com a M que fez 2 anos à dias" e demonstra que efetivamente não foi um lapso porque no mesmo dia escreveu "Já não a via à 3 anos!". A tolerância também virá com a idade Inês. Cresça!
      Ai Fernanda, encerre isto :)

      Eliminar
    4. Boa!!! Já sei quem tentou ofender-me no meu blog... Uau!
      Quer o meu Cc e Nif?

      Tanta gente recalcada... E velhas ainda por cima! Se fossem mais novas , ainda se entendia. O que vale é que são anónimas e anónimas são isso mesmo, pessoas sem identidade, sem vida.

      Enfim... Tenho pena das vossas criancinhas.

      Eliminar
    5. Eu tenho é pena de si! ( que por acaso também é uma criancinha).
      Boa tentativa para fugir à questão principal: focar o meu suposto e GRAVÍSSIMO erro gramatical, e chamar toda a gente de velha!
      Tenha vergonha! Cresça!

      Eliminar
  11. Gostei bastante desta tua entrevista : )

    http://thelifestyleandfashion.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  12. Visitem o meu blog: www.blogmadeira.weebly.com/ o avental cor de rosa blog
    Adorei a entrevista! :)

    ResponderEliminar